Bens, noção e classificação

Os bens são todos os meios susceptíveis de satisfazer necessidades, ou seja, tudo o que pode ser utilizado para por fim ao estado de carência.

Características das necessidades:

– Multiplicidade (as necessidades são múltiplas e infinitas)

– Saciabilidade (a intensidade das necessidades diminui com a sua satisfação)

– Hierarquizáveis (as necessidades são ordenadas por ordem de importância)

– Relatividade (as necessidades variam no tempo e no espaço)

As necessidades podem ser caraterizadas como sendo o motor da nossa economia, uma vez que são as necessidades que determinam a produção. Produzimos porque sentimos necessidades que temos que satisfazer a natureza não nos garante todos os bens no estado em que precisamos deles.

Classificação dos Bens quanto aos tipos de consumo

Quanto à natureza:

Bens materiais: São todos os objetos tangíveis, isto é, que assumem uma forma física como por exemplo uma caneta, uma motorizada ou um casaco.

Bens imateriais ou serviços: são aqueles que são prestados em função do trabalho e que desta forma não assumem a forma material como por exemplo: uma ida ao ginásio, um spa, a visualização de um filme

Quanto á sua função:

Bens de produção: são utilizados  em vários ciclo produtivos na produção de outros bens.

Bens de consumo: são utilizados diretamente na satisfação das necessidades.

Quanto à duração

Bens duradouros: são susceptíveis de satisfazerem uma necessidade mais do que uma vez;

Bens não duradouros: são os que se extinguem na satisfação de uma necessidade.

Quantos às relações que estabelecem entre si

Bens substituíveis: são os que podem ser substituidos na satisfação de uma mesma necessidade.

Podem ser fungíveis: quando são bens perfeitamente substituíves por exemplo: fósforos por isqueiro

Sucedâneos: se os bens só se substituem em parte ( por exemplo oleo e azeite)

Bens complementares: os que só satisfazem a necessidade se utilizados conjuntamente com outros bens.

Complementaridade vertical: se se tratarem de bens de  produção por exemplo computador e eletricidade.

Complementaridade horizontal: se se tratar de bens de consumo por exemplo: papel e caneta.

Noção de utilidade de um bem

Como sabemos uma das qualidades de um bem é a sua aptidão para satisfazer alguma das necessidades dos indivíduos – é a sua utilidade.
Todos os bens possuem utilidade, muito embora esta varie de indivíduo para indivíduo ou de situação para situação.

Noção de necessidade:

“Desejo de acabar ou prevenir uma insatisfação ou aumentar uma satisfação.”

Características das Necessidades
É possível identificarmos três características
·Multiplicidade (necessidades que sentimos são ilimitadas)

Saciabilidade (satisfazer uma determinada necessidade, a intensidade sentida vai diminuindo progressivamente até desaparecer)
· Substituibilidade (uma necessidade ser substituída por outra)
As necessidades variam no tempo e no espaço

Bens normais
De acordo com o aumento do preço reduz a sua procura. O consumidor tem um orçamento que é limitado e a sua procura segue em função do orçamento.

Bens inferiores: são aqueles cujo consumo diminui à medida que aumenta o rendimento da familia. Por exemplo o consumo de salsichas em lata ou de batas fritas em pacote,etc…

Bens Luxo ou bens gifen
Nestes casos o aumento de preço geralmente coincide com o aumento da procura. As pessoas procuram exteriorizar a sua riqueza.

A utilidade é um conceito muito importante porque revela a aptidão que um bem ou serviço possuem para a satisfação de uma necessidade.

Relacionado com a utilidade temos o valor de uso que depende da importância que um individuo atribui a um determinado bem ao considerá-lo apto a satisfazer uma necessidade. Então verificamos que é a utilidade e a intensidade da necessidade sentida que determinam o valor de uso de um bem.

O valor económico de um bem está relacionado com a sua escassez o que determina o seu valor de troca.

Valor de troca é o valor atribuido aos bens, tendo em conta a possibilidade da sua troca por outros bens. Este valor é sempre expresso noutro bem. Atualmente, costumamos utilizar a moeda e, por isso, designamos este valor por preço.

Conceito de Consumo

Conceito: É o acto de utilizar um bem material ou serviço com vista à satisfação das necessidades
As desigualdades de acesso ao consumo estão a aumentar, quer ao nível mundial quer ao nível dos próprios países.

Questões de revisão
1.Justifica que a necessidade de protecção é uma necessidade colectiva;
2.Classifica a necessidades quanto à sua importância: Alimentação, Divertimento, Lazer, Habitação, Educação.
3.As necessidades indicadas em 2. serão económicas ou não económicas justifica a tua resposta.

Consumos:

– final e intermédio

Consumo final: quando a utilização do bem visa a satisfação direta e imediata de uma necessidade: por exemplo uma refeição

Consumo intermédio: é aquele que utiliza um bem ou serviço para produzir outro bens ou serviços: Por exemplo a utilização de farinha para a confecção do pão.

– público e privado

Consumo público quando é realizado pelo Estado na satisfação das necessidades dos cidadãos decorrentes da vida em sociedade: Por exemplo a contratação de médicos para um hospital.

Consumo privado: o que é realizado pelas familias (pessoas singulares, cidadãos) e pelas pessoas coletivas (empresas e outros organismos que não o Estado). Por exemplo: alimentação, vestuário, transportes, etc….

– individual e colectivo

Consumo individual: é aquele que é realizado por um individuo na satisfação das suas necessidades pessoais: por exemplo uma ida ao ginásio

Consumo colectivo: é aquele que é realizado na satisfação das necessidades colectivas através da utilização de serviços públicos ou de equipamentos colectivos: Por exemplo a segurança nacional.

Consumo essencial e supérfluo

Consumo essencial: é o que é realizado na satisfação das necessidades primárias e secundárias: por exemplo a alimentação e a habitação

Consumo supérfluo: é aquele que satisfaz as necessidades terciárias: por exemplo o uso de roupa de marca.

Factores de que depende o consumo

Económicos
Rendimento dos consumidores;
Preço dos bens;
Inovação tecnológica;

Fatores económicos que influenciam o consumo, além do preço dos bens, são o rendimento dos consumidores e a inovação tecnológica. O nível de rendimento é decisivo para o consumo, pois quanto maior é o montante recebido pelos indivíduos, mais estes podem  dispor para utilizar em consumo

Lei de Engel

À medida que o rendimento das famílias aumenta, o peso das despesas em alimentação vai baixando, aumentando por sua vez o peso das despesas destinadas à cultura, lazer e distracções.

b) Preços
De uma forma geral, como já constaste, o consumo diminui à medida que o preço de um bem aumenta. Convém, contudo distinguir várias situações:
– efeito substituição: face ao aumento do preço de um bem, o consumidor irá procurar consumir um bem que lhe seja substituível. (…)
– efeito rendimento: o aumento do preço de um bem, fará baixar o rendimento e, por isso, o consumo de outros bens; a baixa do preço do bem, fará aumentar o poder de compra do consumidor, podendo consumir mais de outros bens.
– efeito de snobismo ou de Veblen: o consumo de um bem aumenta quando o preço sobe, por parte dos consumidores que pretendem exteriorizar o seu poder de compra.

c) Inovação tecnológica
Não podemos esquecer que o progresso técnico, a par da criatividade e da inovação, faz surgir novos produtos e serviços, criando, assim, novas necessidades. Bastará lembrar a recente expansão do uso de telemóveis…

A reter….

Efeito rendimento: é a variação nas quantidades consumidas dos bens em virtude da variação dos preços que influencia o rendimento real dos consumidores.

Efeito- substituição: é o aumento do consumo de um bem em virtude do aumento do preço de um outro bem seu sucedâneo ou substituivel.

Lei de Engel: o peso das despesas alimentares nas despesas totais de uma família decresce à medida que o seu rendimento aumenta.

4.2.3- Factores extra-económicos
a) Moda
“A renovação cada vez mais rápida dos bens, leva a que os indivíduos tenham o desejo de adquirir os bens mais recentes do mercado, ou seja, os que a moda ditou!”

b) Publicidade
“A publicidade constitui um excelente veículo da moda, dando-nos a conhecer os produtos mas criando-nos também necessidades e desejos…através de mecanismos de ordem psicológica…”

c) Meio social
De que forma o meio social nos influencia? Através de:
Grupo a que pertencemos: vivemos e pertencemos a mesmos grupos, estabelecendo-se um conjunto de interacções entre os elementos do grupo. De certa forma, as nossas decisões de consumo são fortemente condicionadas pelo grupo ou grupos a que pertencemos (…);
Grupo social a que se desejamos pertencer: por vezes, desejando pertencer a um grupo social mais influente tentamos imitar os comportamentos de consumo desse grupo: ou seja: efeito de imitação ou demonstração (conceito já abordado quando falamos na publicidade);
Líderes do grupo ou de opinião: por vezes, tentamos uma identificação com figuras consideradas influentes no momento…

d) Estrutura etária
Os consumos de um jovem casal que acaba de adquirir a sua casa ou que acaba de ter um filho e os consumos de um casal já idoso serão certamente diferentes (…)
O consumo de viagens para zonas onde façam desportos radicais é apropriada para jovens…
As termas de S. Pedro do Sul são apropriadas para idosos.
e) muitos outros factores

Fatores extra- económicos: são fatores de natureza sociocultural que influenciam o consumo como por exemplo: a moda, a publicidade, a tradição, os modos de vida e a estrutura etária dos agregados familiares.

Tipos de Consumo
· Final (alimentos)
· Intermédio (matérias primas)
· Individual (roupas)
· Colectivo (uso transportes públicos)
· Essencial (cuidados saúde)
· Supérfluo (uso perfumes caros)

Em resumo:

Factores que influenciam o Consumo das famílias
Económicos
Rendimento
·Preços
· Inovação Tecnológica
Extra – Económicos
Moda
Publicidade

Tradição
Modos de vida
Estrutura etária dos agregados familiares

O consumo é uma função do rendimento
Estrutura do Consumo: Forma como os consumidores repartem o seu rendimento pelos diversos consumos. Reflete a repartição percentual das despesas de consump por diversas classes de bens e serviços.

Padrões de consumo:

Padrões de consumo – diferenças e factores explicativos
Considera-se que a principal função das famílias é CONSUMIR, no entanto, a natureza e o volume dos seus consumos depende de uma multiplicidade de factores. Podemos agrupar estes factores em dois tipos:
económicos
sócio-culturais

a) Rendimento
Observa o seguinte gráfico, onde se representam as despesas em consumo para diferentes níveis de rendimento. O que concluis?

Coeficiente Orçamental
Função: =Valor da despesa efectuada/Total despesa consumo x 100
Lei de Engel: À medida que o rendimento das famílias aumenta, o peso das despesas em alimentação vai baixando, aumentando por sua vez o peso das despesas destinadas à cultura, lazer e distracções.

Padrões de Consumo
Imaginemos 2 famílias a família Pires (emigrantes Portugueses na Suiça) e o Casal Fritz (classe média-alta suiça).
Se o Sr. Pires for promovido no emprego, imaginemos que auferia 2500,00€ e que foi aumentado para 2700,00€. Vai gastar uma parte do seu aumento na aquisição de bens de consumo que até à altura o seu orçamento familiar não o permitia. Ex: Vai fazer obras na cozinha.

No caso da família Fritz em que auferem 8.000,00€/mês um aumento de 250,00€ mês não irá afectar significativamente a função consumo pois em 1º lugar já possuem quase todos os bens necessários e em 2º lugar o valor neste caso é pequeno em termos percentuais e o casal não vai dar grande importância, talvez façam uma viagem maior no período de férias.

2.4. Evolução da estrutura do consumo em Portugal e na União Europeia
A evolução da estrutura do consumo em Portugal e na União Europeia
A actividade económica resulta de um conjunto de funções desempenhadas pelos diversos agentes económicos. Conhecer essas funções e a forma como interagem é um dos objectivos da economia.
As famílias surgem como um dos principais agentes visto que essa função – consumir – é inerente a todos nós.
O consumo é, muitas vezes, referido como um indicador de bem-estar de uma população. Todavia, conhecer a sua estrutura é fundamental, como já sabemos, pois o facto de uma família gastar 20% ou 50% do seu rendimento na satisfação de necessidades não essenciais é indicador de níveis de bem-estar diferentes

2.5. A Sociedade de Consumo
Com a industrialização, a produção em massa, a produção transformou-se num acto impessoal a cargo de empresas para tal especializadas que fabricam bens em série,

O consumidor torna-se o destinatário passivo de uma produção estandardizada.
Foi o progresso das técnicas de produção e o desenvolvimento económico em geral que permitiram o fabrico em grande escala originando a sociedade de consumo,

O consumidor, se por um lado, beneficiou dessa situação podendo adquirir bens a preços mais acessíveis por força da produção em série, tornou-se, por outro lado, alvo de uma oferta desenfreada que exige escoamento.

Consumismo versus consumerismo

O consumismo é o conjunto de comportamentos e atitudes susceptíveis de induzir ao consumo indiscriminado, perigoso ou compulsivo.
Entende-se por consumeirismo a acção social permanente de grupos ou de instituições que exprimem os interesses dos consumidores, acção essa conduzida a vários níveis para legitimar ou aprofundar os seus direitos, incluindo-se aqui a intervenção no mercado, com os objectivos de aperfeiçoar a qualidade de vida e os valores sociais.

Defesa dos direitos dos consumidores

Em consequência, do ocorrido nos últimos anos, verificamos que existe intervenção de entidades/ organismos que pretendem contribuir para uma maior racionalidade no acto de consumir. Em Portugal estas iniciativas cabem ao Instituto Nacional de Defesa do consumidor – DECO.

Passa pela informação ao consumidor, reconhecimento de um conjunto de direitos do individuo enquanto consumidor e pela educação do consumidor, alertando para os perigos do consumismo.

Consumo ético” significa um consumo consciente, em que a decisão de compra de um produto ou serviço assenta não só em critérios de qualidade e preço,mas também nas condições humanas e ambientais em que foram produzidos e comercializados, assim como nas consequências humanas e ambientais dessa compra.

Consequências da sociedade de consumo:

manipulação do individuo

endividamento das familias

degradação ambiental

destruição dos recursos

Questões saídas em Exame Economia

1. Os bens sucedâneos são ….

a. Os bens que satisfazem a mesma necessidade

b. Os bens que são utilizados em conjunto na satisfação de uma necessidade

c. Os bens utilizados na transformação de outros bens

d. Os bens relacionados com a prestação de serviços

O consumismo pode definir-se como ….

a. O aumento do preço de um bem leva à transferência do seu consumo de outros bens mais baratos

b. Os padrões de consumo de determinados grupos sociais influenciam os níveis de consumo do resto da sociedade

c. O aumento do preço de um bem faz diminuir a sua quantidade de consumo.

d. O aumento do preço de um bem provoca a diminuição do consumo dos bens complementares.

Associamos ao conceito de consumeirismo ….

a. As actividades de grupos de consumidores na defesa dos seus direitos

b. As atitudes irreflectidas e compulsivas na defesa dos seus direitos

c. O crescente endividamento das famílias na actualidade

d. O facto de os consumidores satisfazerem todas as suas necessidades

Para satisfazermos a necessidade de transporte, utilizamos, simultaneamente, um automóvel e gasolina, pelo que classificamos este dois bens como ….

a. Bens livres

b. Bens sucedâneos

c. Bens complementares

d. Bens duradouros

Os bens que existem em quantidades limitadas designam-se…

a. bens livres

b. bens materiais

c. bens económicos

d. bens não duradouros

Dois bens dizem-se complementares quando

a. um pode substituir o outro

b. ambos satisfazem a mesma necessidade

c. podem ser utilizados ao mesmo tempo

d. o uso de um implica o uso do outro

Os bens sucedâneos são ….

a. os bens que satisfazem a mesma necessidade

b. os bens que são utilizados em conjunto na satisfação de uma necessidade

c. os bens utilizados na transformação de outros bens

d. os bens  relacionados com a prestação de serviços

A Gasolina

a. é uma necessidade secundária

b. é um bem de produção

c. é um bem livre

d. é um bem duradouro

Questões de revisão:

1. Indica o critério de distinção entre bens materiais e serviços.

2. Apresenta dois exemplos de bens materiais e dois exemplos de serviços.

3. Indica o critério de distinção entre bens económicos e bens não económicos.

4. Apresenta dois exemplos de bens económicos e dois de bens não económicos.

5. Indica o critério de distinção entre bens de consumo e bens de produção.

6. Apresenta dois exemplos de bens de consumo e de bens de produção.

7. Indica o critério de distinção entre bens duradouros e bens não duradouros.

8. Apresenta dois exemplos de bens duradouros e de bens não duradouros.

9. Indica o critério de distinção entre bens sucedâneos e bens complementares.

10. Apresenta dois exemplos de bens sucedâneos e de bens complementares.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s